Ultima atualização: setembro 23, 2021
Auch verfügbar in:

Nosso método

21Produtos analisados

40Horas gastas

11Artigos avaliados

90Comentários dos usuários

Você está procurando por produtos alimentícios que ajudem a construir músculo e perder peso? Então você veio ao lugar certo. As proteínas vegetais não são essenciais apenas para os músculos, mas na proporção certa com as proteínas animais, elas também promovem a saúde e minimizam o risco de muitas doenças, como diabetes e problemas cardiovasculares.

Em nosso grande teste de produtos feitos de proteína vegetal 2022 nós respondemos, portanto, a todas as perguntas mais freqüentes sobre o assunto proteínas vegetais. Nós também explicamos os critérios de compra mais importantes ao comprar produtos com proteína vegetal e apresentamos a você um produto de cada um dos quatro tipos com mais detalhes.




O mais importante

  • As proteínas sobre proteínas vegetais ou animais pertencem aos macronutrientes e, portanto, são essenciais para o organismo. O equilíbrio certo entre as duas proteínas é extremamente importante.
  • A proteína é necessária para construir músculo, mas também para simplesmente manter o músculo. O alto consumo de proteína vegetal pode levar ao aumento do potencial de perda de peso.
  • Enquanto as cápsulas e as pastas são fáceis de adicionar no café da manhã, os pós e barras devem ser consumidos antes ou depois do treinamento.

Proteína vegetal:nossa recomendação dos melhores produtos

Critérios de compra e avaliação para produtos feitos de proteína vegetal

Ao comprar produtos feitos de proteína vegetal, há alguns critérios que precisam ser levados em conta. Nós compilamos os critérios mais importantes nesta seção e explicamos o que procurar em cada caso. Os critérios incluem:

Nós entraremos neles com mais detalhes abaixo.

Tipo de produto

A primeira e mais importante subdivisão de produtos com proteína vegetal é a diferenciação do tipo de produto. Aqui nós distinguimos entre produtos com proteína vegetal natural e produtos que fornecem ao organismo proteína adicional na forma de suplementos alimentares.

Como o nome sugere, a proteína vegetal natural é encontrada em produtos vegetais.

As leguminosas e sementes são particularmente ricas em proteínas. Neste artigo, no entanto, vamos olhar principalmente para as proteínas dos suplementos alimentares.

No caso de suplementos, nós distinguimos entre os quatro tipos mais comumente usados e utilizados por sua forma de apresentação. A proteína vegetal pode estar disponível em pó, que é usada principalmente para batidos de proteína, como cápsulas, barras ou até mesmo para barrar.

Conteúdo de proteína

A quantidade de proteína contida nos produtos depende fortemente do tipo de produto. As barras ou pastas para barrar, por exemplo, têm uma porcentagem muito menor de proteína vegetal do que os outros produtos, com uma porcentagem entre 20 e 30 por cento em cada caso.

Os pós têm uma proporção significativamente maior de proteína com uma porcentagem entre 80 e 90 por cento. Entretanto, os pós são usados para misturar batidos e afins, e é por isso que esta proporção é então significativamente diluída nos batidos.

As cápsulas feitas de proteína vegetal contêm claramente a maior porcentagem de proteína vegetal dos vários tipos, com uma proporção próxima a 100%. Portanto, eles consistem apenas de proteínas e não são diluídos, mas consumidos na forma de comprimidos com refeições.

Prazo de validade

O prazo de validade dos produtos com proteína vegetal é muito importante para o planejamento a longo prazo e no caso de você querer fazer uma pausa no consumo desses produtos. Em geral, todos os tipos de suplementos têm uma vida útil muito longa, desde que não estejam abertos.

Uma vez aberto, o spread com prazo de validade de algumas semanas é o tipo que tem o prazo de validade mais curto. Sem abertura, no entanto, a propagação pode ser mantida por cerca de um ano. O bar com uma validade de 6 meses está em terceiro lugar.

O pó e as cápsulas têm ambas uma vida útil muito longa. O pó geralmente dura entre um e dois anos, e as cápsulas podem ser mantidas por vários anos por mais tempo. Portanto, estas variantes são ideais para você se você já está planejando muito à frente para o futuro.

Facilidade de integração na rotina diária

Outro critério importante para suplementos com proteínas vegetais é a facilidade de integração na rotina diária normal. Quanto mais fácil for essa integração, mais bem sucedida e livre de estresse será a ingestão.

A propagação do pão é muito fácil de integrar para as pessoas que comem pão pela manhã, pois elas só têm que mudar sua propagação. As cápsulas também são bastante simples para que todos se integrem. Elas têm que ser tomadas durante a refeição. Só é possível esquecer de tomá-los.

Barras e pós são muito mais difíceis de integrar na rotina diária para pessoas que normalmente não comem lanches em um dia normal. Para estes dois tipos, lanches extras na forma de um bar ou um batido têm que ser planejados na rotina diária.

Guia: Perguntas freqüentes sobre produtos com proteína vegetal respondidas em detalhes

Proteína vegetal e produtos com proteína vegetal são tópicos muito complexos que certamente irão levantar muitas questões para você. Portanto, nós resumimos e respondemos as perguntas mais frequentes sobre estes tópicos nesta seção.

O que é proteína vegetal?

A proteína vegetal é uma subcategoria de proteínas. Existem proteínas animais e vegetais. Como o nome sugere, proteínas animais são encontradas na carne e proteínas vegetais são encontradas em plantas e frutos. As proteínas em geral são proteínas e, junto com os carboidratos e gorduras, pertencem aos chamados macronutrientes, sem os quais o corpo não pode sobreviver.

As proteínas são compostas de aminoácidos.

Estes aminoácidos estão envolvidos nos processos de construção e renovação do corpo. Quanto maior a proporção de aminoácidos em um alimento, maior o seu valor.

Em quais alimentos é encontrada a proteína vegetal natural?

A proteína vegetal natural é encontrada em praticamente todos os produtos vegetais em concentrações variadas. Ela não é encontrada na carne ou em outros produtos animais, onde apenas a proteína animal está naturalmente presente.

pflanzliches-eiweiß-test

Leguminosas e sementes contêm concentrações particularmente altas de proteína vegetal. (Fonte da imagem: Ulrike Leone / pixabay)

Alguns produtos vegetais contêm mais proteínas vegetais do que outros. Os alimentos com maior quantidade de proteína vegetal são leguminosas, nozes, sementes, arroz e batatas, assim como cereais e produtos de soja.

Qual a quantidade de proteína vegetal que deve ser consumida diariamente?

Geralmente falando, não faz diferença para a maioria das pessoas se a proteína vegetal ou animal foi consumida. A única coisa que é importante para as necessidades diárias de uma pessoa é realmente a ingestão da proteína de macronutrientes.

É recomendado que um adulto entre 19 e 65 anos de idade consuma cerca de 0.8 gramas de proteína por quilograma de peso corporal.

Isto significa que com um peso de 80 quilos, cerca de 65 gramas de proteína devem ser consumidas diariamente. A partir dos 65 anos de idade, o valor recomendado aumenta para 1 grama de proteína por quilograma de peso corporal.

A proteína vegetal é melhor ou pior que a proteína animal?

Uma comparação muito abstrata da proteína vegetal pura e da proteína animal pura revela que a proteína vegetal carece de alguns aminoácidos que a proteína animal tem. Além disso, a proteína vegetal tem uma proporção menor de leucina, e é por isso que, em geral, a proteína animal é mais valiosa do que a proteína vegetal. (1)

pflanzliches-eiweiß-test

Comer apenas proteína animal pode ser prejudicial à sua saúde. (Fonte da imagem: Marion Streiff / pixabay)

Se olharmos para o quadro inteiro, no entanto, torna-se claro que a proteína animal pura e uma dieta de apenas isto não só não é perfeita, mas pode até ser prejudicial à saúde. A adição de proteínas vegetais melhora de forma decisiva a dieta. É importante, portanto, encontrar um equilíbrio entre essas duas proteínas. (2)

Que papel a proteína vegetal desempenha na construção muscular?

As proteínas, e portanto também as proteínas vegetais, são essenciais para os músculos. Entretanto, não importa realmente se as proteínas vêm de plantas ou animais, é apenas importante que o corpo receba as proteínas. A falta de proteína leva a uma massa muscular insuficiente(3)

Uma vez que a manutenção muscular já requer proteína, é claro que a construção muscular requer ainda mais proteína. Se você quer construir músculo, seu corpo precisa de uma maior quantidade de proteína do que os músculos que consome. Somente então, em combinação com um programa de treinamento para construir músculos, você pode fortalecer seus músculos. (4)

As proteínas vegetais podem ajudar na perda de peso?

Basicamente, quando se trata de perda de proteína e peso, você geralmente deve comer menos do que o normal. No entanto, isto não se aplica às proteínas.

Muito pouca proteína faz com que os músculos percam peso, não gordura. A proteína deve continuar a ser consumida em medidas iguais. Ela ajuda que a proteína é um saciador natural e satisfaz a fome por um bom tempo devido a um longo tempo de processamento.

Uma alta proporção de proteína vegetal na proteína diária consumida pode aumentar significativamente o potencial de perda de peso. (Fonte de imagem: Bill Oxford / unsplash)

Se alguém diferencia entre proteína animal e vegetal para perda de peso, um estudo da Universidade da Carolina descobriu que se tem um potencial maior para perda de peso quando se come principalmente proteína vegetal do que quando se come uma dieta na qual predomina a carne. (5)

Como a proteína vegetal afeta o colesterol?

A proteína vegetal tem um teor muito menor de purina do que a proteína animal. Esta purina forma ácido úrico e pode ser prejudicial, pois pode levar à acidificação do corpo e até mesmo enfraquecer o sistema imunológico.

Além disso, essa diferença tem um efeito muito forte sobre o colesterol no corpo. Por exemplo, uma dieta baseada principalmente em proteínas vegetais pode melhorar significativamente os níveis de colesterol no organismo em 3 a 4%. (6)

O consumo de proteína vegetal pode ser prejudicial?

Consumir uma mistura equilibrada de proteínas vegetais e animais não tem quase nenhum efeito prejudicial; pelo contrário, adicionar proteínas vegetais reduz o risco de muitas doenças, tais como diabetes, doenças cardiovasculares, derrames e pedras nos rins. (7, 8, 9, 10)

Para os atletas, muita proteína vegetal na dieta e pouca proteína animal pode levar a uma densidade óssea ligeiramente inferior à que deveria ser. Uma densidade óssea muito baixa pode então levar à osteoporose na velhice. (11)

Conclusão

As proteínas que o organismo obtém das proteínas são essenciais para o organismo. Especialmente para a construção muscular e treinamento físico freqüente, o corpo precisa de mais proteína do que ela consome. Uma dieta balanceada com proteínas vegetais e animais é essencial para uma boa saúde e para minimizar o risco de doenças.

Portanto, é altamente recomendado complementar a dieta com proteínas vegetais. Para a mais fácil integração em sua rotina diária, é recomendável tomar cápsulas ou usar spreads com as refeições. Se você gosta de se exercitar muito, é recomendável fazer smoothies feitos com proteína em pó e comer barras antes e depois do treinamento.

Fonte das fotos: 123rf / 115805357

Referências (11)

1. van Vliet S, Burd NA, van Loon LJ. The Skeletal Muscle Anabolic Response to Plant- versus Animal-Based Protein Consumption. J Nutr. 2015 Sep;145(9):1981-91. doi: 10.3945/jn.114.204305. Epub 2015 Jul 29. PMID: 26224750.
Fonte

2. Song M, Fung TT, Hu FB, Willett WC, Longo VD, Chan AT, Giovannucci EL. Association of Animal and Plant Protein Intake With All-Cause and Cause-Specific Mortality. JAMA Intern Med. 2016 Oct 1;176(10):1453-1463. doi: 10.1001/jamainternmed.2016.4182. Erratum in: JAMA Intern Med. 2016 Nov 1;176(11):1728. PMID: 27479196; PMCID: PMC5048552.
Fonte

3. Huang RY, Yang KC, Chang HH, Lee LT, Lu CW, Huang KC. The Association between Total Protein and Vegetable Protein Intake and Low Muscle Mass among the Community-Dwelling Elderly Population in Northern Taiwan. Nutrients. 2016;8(6):373. Published 2016 Jun 17. doi:10.3390/nu8060373
Fonte

4. Tipton KD, Wolfe RR. Exercise, protein metabolism, and muscle growth. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2001 Mar;11(1):109-32. doi: 10.1123/ijsnem.11.1.109. PMID: 11255140.
Fonte

5. Turner-McGrievy GM, Davidson CR, Wingard EE, Wilcox S, Frongillo EA. Comparative effectiveness of plant-based diets for weight loss: a randomized controlled trial of five different diets. Nutrition. 2015 Feb;31(2):350-8. doi: 10.1016/j.nut.2014.09.002. Epub 2014 Oct 18. PMID: 25592014.
Fonte

6. Blanco Mejia S, Messina M, Li SS, Viguiliouk E, Chiavaroli L, Khan TA, Srichaikul K, Mirrahimi A, Sievenpiper JL, Kris-Etherton P, Jenkins DJA. A Meta-Analysis of 46 Studies Identified by the FDA Demonstrates that Soy Protein Decreases Circulating LDL and Total Cholesterol Concentrations in Adults. J Nutr. 2019 Jun 1;149(6):968-981. doi: 10.1093/jn/nxz020. PMID: 31006811; PMCID: PMC6543199.
Fonte

7. Malik VS, Li Y, Tobias DK, Pan A, Hu FB. Dietary Protein Intake and Risk of Type 2 Diabetes in US Men and Women. Am J Epidemiol. 2016 Apr 15;183(8):715-28. doi: 10.1093/aje/kwv268. Epub 2016 Mar 28. PMID: 27022032; PMCID: PMC4832052.
Fonte

8. Richter CK, Skulas-Ray AC, Champagne CM, Kris-Etherton PM. Plant protein and animal proteins: do they differentially affect cardiovascular disease risk? Adv Nutr. 2015 Nov 13;6(6):712-28. doi: 10.3945/an.115.009654. PMID: 26567196; PMCID: PMC4642426.
Fonte

9. Ozawa M, Yoshida D, Hata J, Ohara T, Mukai N, Shibata M, Uchida K, Nagata M, Kitazono T, Kiyohara Y, Ninomiya T. Dietary Protein Intake and Stroke Risk in a General Japanese Population: The Hisayama Study. Stroke. 2017 Jun;48(6):1478-1486. doi: 10.1161/STROKEAHA.116.016059. Epub 2017 May 9. PMID: 28487340.
Fonte

10. Shu X, Calvert JK, Cai H, Xiang YB, Li H, Zheng W, Shu XO, Hsi RS. Plant and Animal Protein Intake and Risk of Incident Kidney Stones: Results from the Shanghai Men's and Women's Health Studies. J Urol. 2019 Dec;202(6):1217-1223. doi: 10.1097/JU.0000000000000493. Epub 2019 Aug 20. PMID: 31430246.
Fonte

11. Barron E, Cano Sokoloff N, Maffazioli GDN, et al. Diets High in Fiber and Vegetable Protein Are Associated with Low Lumbar Bone Mineral Density in Young Athletes with Oligoamenorrhea. J Acad Nutr Diet. 2016;116(3):481-489. doi:10.1016/j.jand.2015.10.022
Fonte

Por que você pode confiar em mim?

Wissenschaftliches Review
van Vliet S, Burd NA, van Loon LJ. The Skeletal Muscle Anabolic Response to Plant- versus Animal-Based Protein Consumption. J Nutr. 2015 Sep;145(9):1981-91. doi: 10.3945/jn.114.204305. Epub 2015 Jul 29. PMID: 26224750.
Ir para a fonte
Wissenschaftliche Studie
Song M, Fung TT, Hu FB, Willett WC, Longo VD, Chan AT, Giovannucci EL. Association of Animal and Plant Protein Intake With All-Cause and Cause-Specific Mortality. JAMA Intern Med. 2016 Oct 1;176(10):1453-1463. doi: 10.1001/jamainternmed.2016.4182. Erratum in: JAMA Intern Med. 2016 Nov 1;176(11):1728. PMID: 27479196; PMCID: PMC5048552.
Ir para a fonte
Wissenschaftliche Studie
Huang RY, Yang KC, Chang HH, Lee LT, Lu CW, Huang KC. The Association between Total Protein and Vegetable Protein Intake and Low Muscle Mass among the Community-Dwelling Elderly Population in Northern Taiwan. Nutrients. 2016;8(6):373. Published 2016 Jun 17. doi:10.3390/nu8060373
Ir para a fonte
Wissenschaftlicher Review
Tipton KD, Wolfe RR. Exercise, protein metabolism, and muscle growth. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2001 Mar;11(1):109-32. doi: 10.1123/ijsnem.11.1.109. PMID: 11255140.
Ir para a fonte
Wissenschaftliche Studie
Turner-McGrievy GM, Davidson CR, Wingard EE, Wilcox S, Frongillo EA. Comparative effectiveness of plant-based diets for weight loss: a randomized controlled trial of five different diets. Nutrition. 2015 Feb;31(2):350-8. doi: 10.1016/j.nut.2014.09.002. Epub 2014 Oct 18. PMID: 25592014.
Ir para a fonte
Wissenschaftliche Studie
Blanco Mejia S, Messina M, Li SS, Viguiliouk E, Chiavaroli L, Khan TA, Srichaikul K, Mirrahimi A, Sievenpiper JL, Kris-Etherton P, Jenkins DJA. A Meta-Analysis of 46 Studies Identified by the FDA Demonstrates that Soy Protein Decreases Circulating LDL and Total Cholesterol Concentrations in Adults. J Nutr. 2019 Jun 1;149(6):968-981. doi: 10.1093/jn/nxz020. PMID: 31006811; PMCID: PMC6543199.
Ir para a fonte
Wissenschaftliches Review
Malik VS, Li Y, Tobias DK, Pan A, Hu FB. Dietary Protein Intake and Risk of Type 2 Diabetes in US Men and Women. Am J Epidemiol. 2016 Apr 15;183(8):715-28. doi: 10.1093/aje/kwv268. Epub 2016 Mar 28. PMID: 27022032; PMCID: PMC4832052.
Ir para a fonte
Wissenschaftliches Review
Richter CK, Skulas-Ray AC, Champagne CM, Kris-Etherton PM. Plant protein and animal proteins: do they differentially affect cardiovascular disease risk? Adv Nutr. 2015 Nov 13;6(6):712-28. doi: 10.3945/an.115.009654. PMID: 26567196; PMCID: PMC4642426.
Ir para a fonte
Wissenschaftliche Studie
Ozawa M, Yoshida D, Hata J, Ohara T, Mukai N, Shibata M, Uchida K, Nagata M, Kitazono T, Kiyohara Y, Ninomiya T. Dietary Protein Intake and Stroke Risk in a General Japanese Population: The Hisayama Study. Stroke. 2017 Jun;48(6):1478-1486. doi: 10.1161/STROKEAHA.116.016059. Epub 2017 May 9. PMID: 28487340.
Ir para a fonte
Wissenschaftliche Studie
Shu X, Calvert JK, Cai H, Xiang YB, Li H, Zheng W, Shu XO, Hsi RS. Plant and Animal Protein Intake and Risk of Incident Kidney Stones: Results from the Shanghai Men's and Women's Health Studies. J Urol. 2019 Dec;202(6):1217-1223. doi: 10.1097/JU.0000000000000493. Epub 2019 Aug 20. PMID: 31430246.
Ir para a fonte
Wissenschaftliche Studie
Barron E, Cano Sokoloff N, Maffazioli GDN, et al. Diets High in Fiber and Vegetable Protein Are Associated with Low Lumbar Bone Mineral Density in Young Athletes with Oligoamenorrhea. J Acad Nutr Diet. 2016;116(3):481-489. doi:10.1016/j.jand.2015.10.022
Ir para a fonte
Resenhas